Nas antigas instalações da Gartêxtil, na Guarda-Gare


O grupo empresarial JOM adquiriu as antigas instalações da empresa Gartêxtil, na Guarda-Gare, e vai abrir uma loja na cidade até à Páscoa de 2017. O anúncio foi feito em conferência de imprensa, na quarta-feira, dia 19 de Outubro, pelo presidente do grupo empresarial, Joaquim Oliveira Mendes, e pelo presidente da Câmara Municipal da Guarda, Álvaro Amaro. Joaquim Oliveira Mendes adiantou que a empresa da área do mobiliário, electrodomésticos, sofás, utilidades e decoração para o lar, vai investir 4 milhões de euros e irá criar 18 novos postos de trabalho directos e cerca de 50 indirectos.
O empresário adiantou que a conclusão do projecto deverá acontecer “antes da Páscoa do próximo ano” e com o investimento o grupo JOM pretende, entre outros objectivos, aumentar o emprego na região e diminuir as assimetrias regionais, possibilitando a aquisição de produtos sem os consumidores se deslocarem para outros locais do país ou da região. O grupo também passará a incluir a Guarda no eixo de cobertura do Interior do país. “Este é o nosso projecto para uma Guarda com futuro”, disse Joaquim Oliveira Mendes, indicando que a nova loja terá cerca de 4.500 metros quadrados e um armazém com cerca de 900 metros quadrados. As instalações também vão acolher um restaurante e mais duas lojas. A ideia, de acordo com Joaquim Oliveira Mendes, é oferecer vários serviços, tornando o espaço da antiga fábrica têxtil num complexo comercial apetecível. Referiu que a instalação da loja da Guarda é um sonho antigo e um dos mais avultados investimentos do grupo, lembrando que há 8 anos mostrou interesse em fazer este investimento na cidade, mas o executivo autárquico da altura apontou os terrenos da Plataforma Logística de Iniciativa Empresarial, que não servem para este tipo de projecto. “A Guarda foi sempre um local onde os terrenos foram muito caros”, disse o responsável, lembrando que na última tentativa, quando o actual executivo autárquico foi contactado, surgiu a possibilidade para aquisição de um terreno da Câmara e das instalações da antiga Gartêxtil, tendo optado por esta última hipótese por ser um local “mais central”.
O anúncio do investimento foi feito no dia em que o actual executivo municipal do PSD/CDS-PP, liderado por Álvaro Amaro, celebrava 3 anos de mandato à frente do Município. Por isso, o autarca reconheceu que “é uma belíssima prenda desses três anos de muito trabalho”. O presidente da Câmara da Guarda valorizou o investimento que vai ser realizado na cidade por se tratar de um grupo que tem “uma forte implantação em Portugal”, mas não deixou de lamentar a atitude do executivo anterior. “É tristemente fantástico. Se temos um empresário que resolve apostar no arco do Interior, passou por cá há 8 anos, mas foi para a Covilhã, foi para Castelo Branco, foi para Viseu, e a Guarda saiu do radar”.
Refira-se que o Grupo JOM, com 18 lojas no país, tem mais de 360 colaboradores directos e mais de 600 indirectos. De acordo com o empresário Joaquim Oliveira Mendes, em 2015 facturou 34 milhões de euros e em 2016 espera facturar mais de 40 milhões.