O talho e charcutaria «Garden Talho» ocupa a loja n.º 35 do Centro Comercial Garden, na cidade da Guarda.

Abriu as portas no dia 25 de Julho de 1995, por iniciativa do casal João António Marques Nunes (falecido há cerca de ano e meio) e de Arminda Cabral de Sousa Nunes. Actualmente, o seu funcionamento é assegurado por Arminda Cabral de Sousa Nunes e pela filha Ana Patrícia Sousa Nunes. A filha do casal contou ao Jornal A GUARDA que os pais abriram o negócio por conta própria após terem trabalhado no Supermercado Estrela Mar durante 6 anos. “Sempre foi um sonho do meu pai ter um negócio próprio. Ele queria ter uma Boutique de Carne, com talho e com comida pré-feita com temperos, sem estar confeccionada, para as pessoas levarem para casa e depois confeccionarem, mas, como o espaço era reduzido, então optou só pelo talho e pela charcutaria”, disse. Ao projecto do talho foi também associada uma salsicharia, que está instalada em Vila Cortez do Mondego, no concelho da Guarda. “O meu pai, desde pequeno, sempre trabalhou em talho e em salsicharia. Na nossa salsicharia é produzido o enchido que vendemos aqui no talho e tem boa fama. Fazemos morcela, farinheira, chouriço, bucho, alheira e chouriço de boche”, contou, referindo tratar-se de “um negócio familiar”.
Quanto ao negócio no «Garden Talho», Ana Patrícia Sousa Nunes disse que a comercialização de carne “está um pouco mais fraca”, mas ao nível do enchido “está melhor”. “Há pessoas que vêm de propósito comprar enchido. Eu também o tenho divulgado. Tenho feito várias feiras aqui na Guarda. Comecei na Feira de São João e ultimamente tenho participado na Feira Farta e nas Tabernas do Entrudo e tenho tido muito sucesso”, declarou. A título de exemplo, referiu que na sexta-feira antes do Carnaval tinha “doze ou quinze dúzias de morcelas para vender no talho e foram praticamente todas vendidas. Só sobrou um quilo ou dois”. A comerciante também disse que vende chouriço, farinheira e morcela ao longo de todo o ano. O bucho só é comercializado na época do Carnaval, mas, ao longo de todo o ano produz e vende chouriço de ossos. “No Verão também se vende muito chouriço e muita morcela para os emigrantes”, acrescentou. Ana Patrícia Sousa Nunes contou que para além da morcela tradicional da Guarda, a casa também faz duas variedades “especiais” desta iguaria. “Quando as pessoas pedem fazemos uma morcela doce com açúcar e outra com erva-doce. A massa é a mesma, só que leva açúcar ou erva-doce, consoante o pedido”. Ainda em relação à morcela, a empresária valorizou a recente criação da Confraria da Morcela da Guarda, por considerar que “é uma boa iniciativa para dar a conhecer o nosso produto, que já tem fama”.
A empresária Arminda Cabral de Sousa Nunes lembrou ao Jornal A GUARDA outros tempos, quando o talho abriu as portas e o Centro Comercial Garden era a referência na cidade da Guarda. “Há 21 anos isto era uma multidão. De há 5 ou 6 anos para cá é que começou a parar. As pessoas, para serem atendidas, até faziam fila à porta do nosso estabelecimento. O que se fazia antigamente numa sexta-feira é agora o que se faz numa semana inteira”, disse, referindo que a actual situação foi provocada pela crise e pela abertura do Centro Comercial Vivaci, agora designado La Vie, “porque as pessoas optam por ir lá e fazem lá as compras”. “Muitas das nossas clientes também morreram ou viram sair os filhos da Guarda e acabaram por reduzir as compras. Tudo vai acabando, mas a boa qualidade dos produtos mantém-se”, garantiu a mulher. A filha acrescentou: “Mantemos a política do meu pai. Pode ser tudo mais caro, mas os produtos são todos da região. A carne de porco vem do matadouro de Pinhel, os borregos, os cabritos e as vacas também são da região e o frango é de Viseu”.
O Centro Comercial Garden está hoje “mais parado”, lembrando mãe e filha que quando o seu talho começou a funcionar “as lojas estavam todas ocupadas”. “Tínhamos talho, peixaria, mercearia, prontos-a-vestir, cafés, cabeleireiras e até uma Loja do Chinês cá tivemos. Depois, entrou em declínio e as lojas começaram a fechar com a crise e com a abertura do Vivaci”, declarou Ana Patrícia Sousa Nunes.