Solução garantiu funcionamento de 18 postos de transformação


A remodelação da linha de média tensão a 15KV dos Meios, concelho da Guarda, levou a EDP Distribuição a utilizar uma central móvel, pela primeira vez na região. Os trabalhos de substituição de cabos e de isolamentos decorreram na passada semana, no dia 11 de Março, envolvendo uma vasta equipa de profissionais entre técnicos, engenheiros e operacionais, num total de 25 pessoas.
Instalada junto ao miradouro, entre as aldeias de Trinta e Videmonte, a central móvel garantiu o fornecimento de energia a 18 postos de transformação durante a realização das obras.
“Sem o recurso à central móvel, solução adoptada na zona centro pela primeira vez, ficaria prejudicada a alimentação a toda a zona”, explicou João Paulo Gouveia da EDP Distribuição (DRC Mondego). E acrescentou: “para não ficar ninguém sem energia é que pusemos esta central móvel”. O equipamento assegurou a alimentação de 18 postos de transformação entre os quais os que fornecem electricidade às indústrias têxteis existentes na zona de Trinta, bem como equipamentos de apoio social (Lar de Videmonte).
Mário Pina, responsável da área operacional Guarda/Castelo Branco, disse ao jornal A Guarda que “sem a central móvel, para fazer a intervenção na linha de média tensão dos Meios, seria necessário por o troço fora de serviço”.
Para proceder à substituição dos cabos e dos isolamentos, ao longo de mil metros de troço, em apenas um dia, foi necessário um trabalho de campo, desenvolvido ao longo de um mês. “Está tudo programado para que o trabalho seja feito num dia”, explicou Mário Pina. E acrescentou: “Já aqui andamos há cerca de um mês a preparar esta operação”.
Nos trabalhos de remodelação da linha de média tensão dos Meios, a EDP Distribuição gastou 50 mil euros, a que se somam mais 4 mil para o funcionamento da central móvel (transporte e gasóleo). Em relação ao dinheiro gasto com o equipamento, João Paulo Gouveia explicou ao Jornal A GUARDA que “apesar dos custos evitamos muitos transtornos e isso é o mais importante”. Mário Pina subscreve a ideia dizendo que “a nossa preocupação é que os clientes não tenham interrupção no fornecimento de energia, o que estamos a conseguir com todo o sucesso”.
Em termos de segurança em obra, Orlando Ribeiro, responsável pela prevenção e segurança na DRC Mondego, adiantou ao jornal A GUARDA que “nada é feito ao acaso” pois “as obras são sempre acompanhadas por parâmetros escritos de segurança e por um coordenador de segurança, mesmo as intervenções mais sensíveis”. Sobre os acidentes que por vezes acontecem, este responsável explicou que “em 90/95% das vezes é por negligência da parte do trabalhador”. E acrescentou: “Existe um cuidado especial no equipamento, no movimento dos operadores e na preparação das operações”. Na realização dos trabalhos persiste o lema “não há uma urgência que ponha em perigo a vida de alguém”.
Apesar da EDP Distribuição não ter mais operações previstas com a utilização da central móvel, Mário Pina disse que a “empresa está permanentemente em obras”. “Temos muitas obras em parceria com as câmaras municipais”, explicou.