Transportes


A Comissão de Utentes da auto-estrada A23 voltou a reivindicar a abolição das portagens naquela via e prometeu endurecer a luta com várias acções de rua. “Fazendo jus àquilo que foram os apelos desta reunião, temos mesmo de endurecer a luta, que passará pela sensibilização, trabalho junto das autarquias e da Assembleia de República, bem como por acções de rua em que se encontrem novas formas de pôr o assunto na ordem do dia e que façam perceber a quem decide que a abolição das portagens na A23 é importante para a região e para o país”, anunciou Marco Gabriel, membro da Comissão de Utentes da auto-estrada A23, que liga Guarda a Torres Novas, no final de uma reunião pública realizada na Covilhã, na qual participaram vários utentes, empresários, sindicalistas e representantes de outras entidades.
O facto de as portagens contribuírem para o aumento das desigualdades entre o Litoral e o Interior, de não existirem vias alternativas, de contribuírem para o aumento da sinistralidade nas estradas nacionais ou de penalizarem cidadãos e empresas, foram alguns dos aspectos apontados pelos participantes na sessão. O impacto sentido no tecido empresarial e as consequências negativas provocadas pelos custos de contexto também foram apontados.