O atelier de costura «Agulha Mágica», de Barbara Silva, está instalado no Mercado Municipal da Guarda desde 2005.

O espaço funcionou inicialmente no 2.º piso do edifício do Mercado Municipal, mas com as obras realizadas pela Câmara Municipal da Guarda, entre finais de 2014 e Março de 2015, mudou-se para o rés-do-chão onde ocupa a Loja n.º 7. A costureira, que iniciou a actividade aos 18 anos, tem o Diploma de Ensino Técnico de Corte e Bordados (tirado em 1980) e é formadora de costura. No seu atelier, Barbara Silva, faz arranjos de costura, picotados, cortinas, cortinados e rendas. “Faço um pouco de tudo. Só não faço costura (roupas completas)”, disse ao Jornal A GUARDA. Referiu que começou com 18 anos a fazer costura, parou durante alguns anos e depois retomou a actividade quando abriu a loja no Mercado Municipal da Guarda. Lembrou que quando começou a exercer a actividade “fazia um pouco de tudo”. “Cheguei a fazer vestidos de noiva e fatos para homem. Deixei de fazer costura porque mudei para outra actividade e quando a retomei optei apenas pelos arranjos”, justifica. No «Agulha Mágica» a costureira é procurada por pessoas que pedem para fazer recuperações de peças de vestuário (por exemplo virar os colares das camisas, cozer calças que se rasgaram, etc.), fazer bainhas de calças, de saias, de vestidos, etc.), encurtar mangas de casacos, colocar fechos em peças de vestuário, entre outros serviços. “Aqui faço um bocadinho de tudo o que me pedem”, disse. Os clientes do estabelecimento de Bárbara Silva são da cidade e também das aldeias do concelho da Guarda e da região. “Por exemplo, algumas pessoas que vêm das aldeias deixam aqui as peças de roupa para arranjar e depois vêm buscá-las mais tarde. Além de clientes, estas pessoas já são amigas. Já era para me ter ido embora e não fui pela amizade que criei e que tenho com as pessoas que me procuram e pelo serviço, de que gosto muito”, acrescentou. Em tempos de crise financeira, a comerciante reconhece que as pessoas continuam a queixar-se do baixo poder de compra e que, muitas vezes, optam por mandar arranjar o vestuário usado em vez de estarem a comprar novas peças. Nota também que muitas pessoas estimam determinadas peças de vestuário e “vão-nas recuperando”.
O Mercado Municipal da Guarda reabriu ao público no dia 14 de Março de 2014, com uma imagem renovada e com todo o espaço de vendas reestruturado e modernizado, depois de um período de obras de requalificação. No caso do atelier «Agulha Mágica», passou do último andar para o rés-do-chão. A proprietária elogia a intervenção de requalificação realizada pela autarquia naquele equipamento camarário. Disse que a nova disposição do Mercado Municipal lhe “agrada” e que o espaço “ficou muito bonito”. “As obras tardaram a ser realizadas, mas foram feitas para bem de quem aqui trabalha diariamente e também de quem aqui compra. Foi uma coisa que me encantou muito, porque melhoraram as condições do espaço”, disse. “Do presidente da Câmara (Álvaro Amaro) só tenho a dizer maravilhas, porque foi um senhor que nos ajudou muito e é uma pessoa fora de série”, referiu, elogiando também as actividades de animação que a autarquia vai realizando ao longo do ano naquele espaço comercial da cidade.