Cultura


“O Teatro Municipal da Guarda (TMG) foi valorizado entre os 12 melhores do País”, considerou o Presidente da Câmara da Guarda depois da divulgação do resultado do concurso da Rede de Teatros e Cineteatros Portugueses aberto pela Direcção-Geral das Artes (DGArtes). A candidatura apresentada pelo actual executivo da Câmara da Guarda, em Dezembro de 2021, é uma das que vai ser apoiada com o valor máximo anual de 200 mil euros, perfazendo um total de 800 mil euros ao longo dos quatro anos.
Sérgio Costa garantiu que a autarquia “tem uma verba de quase meio milhão de euros” para investir na programação do TMG”. Mostrou gratidão por todos os que passaram por este equipamento cultural destacando o trabalho do actual Director que tudo fez para que, no concurso aberto pela DGArtes o TMG ficasse “entre as 12 melhores candidaturas do país”.
Nos critérios de avaliação, o júri apontou algumas lacunas, mas destacou a qualidade e a variedade da programação do TMG, considerando-a “muito abrangente e ambiciosa”.
“Esta candidatura insere-se na reformulação da política cultural da Câmara da Guarda”, disse Sérgio Costa que pretende “avançar com uma aposta cada vez mais forte na descentralização da cultura no concelho”. Referiu que estão a ser preparados apoios para as salas de espectáculos que existem no mundo rural, nomeadamente em Gonçalo e Famalicão da Serra.
O Presidente da Câmara da Guarda considerou ainda que “esta política descentralizadora do Estado Central tem de evoluir”, um processo em que a Associação Nacional de Municípios “tem de fazer o seu trabalho”. Mostrou também vontade de falar “com a rede de municípios que viram as candidaturas aprovadas”.
Victor Afonso, programador e coordenador do TMG, disse que o processo da candidatura foi “complexo e abrangente”. E acrescentou: “O corolário deste processo tem a ver com os 17 anos do TMG e com a programação dos próximos 4 anos”.