Teatro Municipal da Guarda


“O Som e a Fúria”, do TeatroMosca sobe ao palco do pequeno auditório do Teatro Municipal da Guarda, esta sexta-feira, 20 de Fevereiro, pelas 21.30 horas.
“O Som e a Fúria” é o segundo espectáculo de uma trilogia que o Teatromosca dedica à literatura americana (em 2013 apresentou “Moby Dick” de Herman Melville e em 2015 será a vez de “Meridiano de Sangue” de Cormac McCarthy). A partir do romance homónimo de William Faulkner (Prémio Nobel da Literatura em 1949), adaptado por Alexandre Sarrazola, «O Som e a Fúria» desfia, através de Benjy (Ruben Chama), Quentin (Filipe Araújo) e Jason (João Cabral), a ruína da família Compson, antigos aristocratas do sul dos Estados Unidos. Cada um deles centra a sua narração na relação (verdadeira ou imaginada) com Caddy, a única filha da família. E é esta viagem pela verdade de cada um dos irmãos, isolados, presos no passado, que nos dá conta da desintegração da família e da sua reputação.
O desafio de trazer à cena este romance passa por trabalhar um texto em que a história não evolui de forma tradicional, em que parece não haver futuro e o presente é sempre um acontecimento passado. E é precisamente esta noção de Tempo que Pedro Alves explora nesta passagem para teatro do romance de William Faulkner.
O espectáculo tem a direcção artística de Pedro Alves, a adaptação de Alexandre Sarrazola, direção de movimento de Daniel Cardoso e a interpretação de Filipe Araújo, João Cabral e Ruben Chama (atores), Catarina Correia, Margarida Costa e Inês Pedruco (bailarinas) e Ruben Jacinto (músico).