Publicação tem a chancela da VERITAS Editora

“Poesia da Vida” é o título do livro com que António José Amarelo Fernandes quis assinalar os 100 anos de nascimento da mãe, já falecida. A publicação, com chancela da VERITAS Editora, recolhe alguns dos poemas que Elsa Otilde Amarelo Fernandes escreveu ao longo da vida e com quem o filho muito aprendeu em criança e continua a aprender com a “lição de vida” que lhe deixou. “Manifestou, por diversas vezes, a sua vontade de fazer/publicar um livro. Passou todos os seus escritos, de inúmeras folhas soltas, para três cadernos, enumerando e datando todos os poemas que, por norma, a acompanhavam sempre nas viagens ou deslocações”, escreve Amarelo Fernandes na introdução aos poemas da mãe Elsa Otilde. “No ano do seu centésimo aniversário, demos continuidade à leitura de todo o seu legado e percebemos a sua dimensão, o seu sentir ao longo de uma vida atribulada, de amor ausente, de grande solidão, cujo refúgio foi a dedicação, sem medo ou receios, ao trabalho e o amor incondicional aos seus filhos e netos”.Ao longo de quase duzentas páginas, o livro dá a conhecer uma poetisa popular que fez apenas a Quarta Classe mas “reconhecida por todos como dotada de invulgar inteligência”. Era “apaixonada pela leitura, detentora de uma vasta cultura, dominando a evolução da sociedade nas suas diferentes componentes”. Além disso possuía “incrível memória, guardando e relembrando pormenorizadamente todos os factos da sua vida”. “Escreveu, escreveu muito, com elevada inspiração e talento, manifestando expressivamente o seu amor, a desventura de uma vida de luta contra o infortúnio da solidão, com ausência de quem amou e amava”, conta Amarelo Fernandes. Elsa Otilde Amarelo Fernandes, a mais nova de dez irmãos, nasceu em 11 de Julho de 1920, em Lules – San Miguel de Tucumán – república da Argentina. Em 1923, o pai regressou a Portugal com a família passando a residir em Quinta de Gonçalo Martins – Guarda, onde possuía casa de habitação e propriedades agrícolas. Frequentou a escola e realizou o exame da quarta classe. Casou em 1945 e teve dois filhos. Perdeu o marido, em 1964, num acidente, em Paris. “Perante a adversidade da vida não se rendeu, não baixou os braços, não se deu por vencida, não desistiu da vida, olhou e seguiu em frente de acordo com o seu forte carácter” e emigrou para França. Depois da aposentação regressou a Portugal, tendo falecido com sessenta e nove anos, sem concretizar o sonho de publicar um livro com os poemas que escrevia. No ano do seu centésimo aniversário, por iniciativa do filho António José Amarelo Fernandes é publicado o livro “Poesia da Vida – Elsa Otilde Amarelo Fernandes”.