Centro de Estudos Ibéricos reconhecido como Instituição de Utilidade Pública

O Centro de Estudos Ibéricos, na Guarda, foi reconhecido como instituição de utilidade pública pela Presidência do Conselho de Ministros, no dia 24 de Março, através do Despacho nº 3132/202, publicado no Diário da República (2.ª série, n.º 58 de 24 de Março de 2021).O presidente da autarquia considerou ser “um justo reconhecimento do trabalho que a nossa associação tem vindo a desenvolver no âmbito da cooperação transfronteiriça e do contributo empenhado do Município da Guarda, das Universidades de Coimbra e de Salamanca e do Instituto Politécnico da Guarda em prol de um verdadeiro projecto de cooperação e desenvolvimento”. Carlos Chaves Monteiro destacou ainda o “papel de relevo que o Centro de Estudos Ibéricos tem tido no âmbito das relações entre Portugal e Espanha.”Pessoa colectiva do tipo associativo de direito privado, “o Centro de Estudos Ibéricos vem desenvolvendo, desde 2001, sem fins lucrativos, relevantes e actividades de interesse geral. Trata -se de uma associação que visa a promoção, divulgação e coordenação da reflexão, estudo, investigação e ensino de temas comuns e afins a Portugal e Espanha, com especial incidência na região transfronteiriça. Coopera com a Administração, nomeadamente com o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, na prossecução dos seus fins”, refere o Despacho.Recorde-se que o Centro de Estudos Ibéricos surgiu de uma ideia d Eduardo Lourenço por ocasião das Comemorações do Oitavo Centenário da Guarda, no dia 27 de Novembro de 1999. Na altura, o professor, filósofo e ensaísta, natural de São Pedro do Rio Seco (Almeida), propôs a criação de um Centro de Estudos que contribuísse para um renovado conhecimento das diversas culturas da Península e para o estudo da Civilização Ibérica como um todo.Esta associação transfronteiriça foi concretizada em 2001, congregando a Câmara Municipal da Guarda, na altura presidida por Maria do Carmo Borges, a Universidade de Coimbra, a Universidade de Salamanca e o Instituto Politécnico da Guarda.  O Centro de Estudos Ibéricos assenta numa parceria vocacionada para a cooperação territorial, tendo como centro privilegiado de actuação o território fronteiriço da Raia Central Ibérica. Ao longo de duas décadas o CEI tem-se afirmado como plataforma de diálogo, encontro de culturas e centro de transferência de conhecimentos, apostado na valorização da aprendizagem, da formação e da investigação, contribuindo para superar barreiras e estimular a cooperação entre diferentes territórios de aquém e além-fronteiras.