Sessão decorreu na Biblioteca Municipal Eduardo Loureço, na Guarda


A Fundação José Saramago recebeu o Prémio Eduardo Lourenço 2021, na sessão solene que decorreu na Biblioteca Municipal Eduardo Loureço, na Guarda, no dia 13 de Setembro.
Pilar del Río, Presidente da Fundação José Saramago, considerou a atribuição do Prémio Eduardo Lourenço, como “reconhecimento de amizade”. E explicou: “Amizade entre povos ibéricos, Portugal e Espanha, que estão na origem deste prémio e também amizade entre José Saramago e Eduardo Lourenço”. Lembrou que José Saramago e Eduardo Lourenço cultivaram a amizade “ao logo da vida”.
O presidente da Câmara da Guarda destacou o pensamento ibérico, tanto de Eduardo Lourenço como de José Saramago. Sérgio Costa disse que “para estes dois grandes nomes da cultura portuguesa, a Península Ibérica foi sempre muito maior que o seu espaço físico”, pois “reconheciam o valor e o capital cultural e humano, que a Península Ibérica tem e deu ao mundo”.
Sérgio Costa considerou ser uma “honra presidir, pela primeira vez, à Sessão de um reconhecido Prémio que se afirmou, não apenas pelo nome do seu ilustre mentor e pela nobreza dos objectivos, mas também pela qualidade dos galardoados, a quem os sucessivos júris reconheceram valor e mérito”.
Explicou que “na 17ª edição, o galardão é atribuído pela primeira vez a uma instituição, a Fundação José Saramago, reconhecida pelo júri pelo seu importante trabalho e pela corporização, nos seus actos e princípios, da ideia livre e criativa de um iberismo cultural e afectivo”.
Instituído em 2004, o Prémio Eduardo Lourenço destina-se a premiar personalidades ou instituições com intervenção relevante no âmbito da cultura, da cidadania e da cooperação ibéricas.
Sérgio Costa também destacou a importância do Centro de Estudos Ibéricos que, desde a sua criação, em 2001, sempre se mostrou “comprometido, solidário e reivindicativo para com os territórios de fronteira, advogando que as relações fronteiriças devem assentar num espírito de reciprocidade, cooperação, diálogo e paz”.
Disse que “o CEI continuará focado no reforço da competitividade dos territórios de baixa densidade, na promoção de uma coesão social mais inclusiva, na promoção do acesso aos serviços e qualidade de vida e no apoio a iniciativas de cooperação, geradoras de dinâmicas públicas e privadas positivas”.
Apontou o Centro Ibérico de Competências para a Economia Social capaz de abrir “janelas a novas oportunidades de desenvolvimento, que respondam aos anseios e necessidades das nossas populações”.
Na cerimónia marcaram presença, entre outros, o Ministro da Educação, João Costa (por videoconferência), a Diretora Regional da Cultura do Centro, Suzana Menezes (em representação do Ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva).