Guarda


O edifício do Palácio da Justiça da Guarda acolhe, até ao final do mês, uma exposição subordinada ao tema “Cidadão e Justiça”, promovida pelo Conselho de Gestão do Tribunal Judicial da Comarca da Guarda. A mostra é justificada por o Conselho de Gestão considerar que “arte e justiça são espaços de crítica e que a aproximação da justiça ao cidadão implica a valorização e divulgação do património cultural da Comarca”.
A exposição, que ocupa o hall de entrada, a escadaria, alguns corredores e o átrio da sala de audiências do 1.º piso, é composta por fotografias, artefactos e trabalhos de artistas locais relacionados com tradições e com potencialidades endógenas da região. As gravuras do Parque Arqueológico do Vale do Côa, brinquedos tradicionais, azeite (do Vale da Teixeira e do Vale do Mondego), queijo e morcela da Guarda, são alguns dos aspectos abordados. A exposição, que conta com o apoio de Associações, Câmaras Municipais, instituições e artistas locais, foi proposta pelo Conselho de Gestão do Tribunal Judicial da Comarca da Guarda e implementada pelo Secretário de Justiça, José Carlos Monsanto. De acordo com o responsável, a iniciativa insere-se na estratégia de “abertura do Tribunal ao cidadão, para começar a existir uma relação entre o cidadão e o Tribunal. Não só pelos julgamentos e pelos problemas das pessoas, mas também abrir-se à sociedade civil”. No âmbito da nova estratégia, em toda a Comarca haverá Caixa de Sugestões e já existe um inquérito sobre o grau de satisfação dos serviços.
Depois da cidade da Guarda, a exposição “Cidadão e Justiça” irá circular pelos diversos Palácios da Justiça da Comarca.