Programação para os meses de Janeiro, Fevereiro e Março


Foi apresentada na sexta-feira, dia 5 de Janeiro, em conferência de imprensa, a programação do Teatro Municipal da Guarda (TMG) para os primeiros três meses de 2018. De Janeiro a Março passam pelos diferentes espaços do TMG mais de 60 actividades de múltiplas vertentes artísticas com destaque para o Rap interventivo de Capicua, dia 19 de Janeiro, a fadista Raquel Tavares, dia 3 de Fevereiro, a boa disposição de “Filho da Treta” com José Pedro Gomes, dia 9 de Fevereiro, a magia de Luís de Matos, dia 23 de Fevereiro, a música de Mazgani, dia 9 de Março, e de Tiago Bettencourt, dia 23 de Março. Estas actividades juntam-se ao 12.º Síntese - Ciclo de Música Contemporânea da Guarda, a realizar de 26 de Janeiro a 4 de Março, e ainda à Compagnie Acte2 Théatre com a peça “Entre L’ Ogre et le Loup”, dia 27 de Janeiro, e ao Trigo Limpo Teatro ACERT com os espectáculos “Um urso com poucos miolos” e “Sentada no escuro”, nos dias 15 de Fevereiro e 3 de Março, respectivamente.
Na Galeria de Arte do TMG, entre os dias 17 de Fevereiro e 14 de Abril são expostos trabalhos do conceituado artista plástico português Pedro Calapez. No cinema, continuam os filmes de autor e destaca-se a Extensão do Festival de Cinema Ambiental, Cine Eco 2017, entre 20 e 24 de Março. Destaque ainda para a Mostra Performance, a 13 de Janeiro, uma iniciativa que junta 8 artistas de várias áreas do espectáculo durante quatro horas em vários espaços inusitados do TMG, numa parceria com o Cineclube da Guarda e com o Aquilo Teatro.
Ao longo dos primeiros três meses deste ano, no Serviço Educativo do TMG, serão realizadas as oficinas: “O som, a imagem e o palco”, “Viagem Sonora”, “Música, estórias e memórias”, a continuidade do Plano Nacional de Cinema e a residência artística “O homem que está sentado à porta e a mulher que sonhava” de Élia Fernandes e Pedro Carvalho.
Na conferência de imprensa de apresentação da programação para os meses de Janeiro, Fevereiro e Março, o vereador da Cultura da Câmara Municipal da Guarda, Victor Amaral, sublinhou o papel do TMG como “projecto âncora” da Cultura na região, reforçando o apoio do Município ao projecto que se pretende “cada vez mais integrador, versátil e participado”.
“Um verdadeiro Serviço Público”, sublinhou, por seu turno, o programador do TMG, Victor Afonso, que voltou a apostar na diversidade de propostas na agenda para o início do ano.