Iniciativa decorreu no Auditório do Paço da Cultura

A homenagem aos antigos colaboradores, os maestros e compositores Manuel Geada Pinto (a título póstumo) e Bernardo Terreiro do Nascimento, foi o momento alto das comemorações do 59º aniversário do Centro Cultural da Guarda. Na sessão, que decorreu, no dia 20 de Novembro, no auditório do Paço da Cultura, Albino Bárbara, Presidente do Centro Cultural da Guarda, referiu que esta homenagem só ainda não tinha acontecido devido à pandemia provocada pela Covid19. “Nós ainda não tínhamos homenageado o Padre Bernardo, nem o Padre Geada Pinto, única e exclusivamente por motivos que todos sabemos, por causa deste bichinho que nos ataca e que nos obriga a andar aqui de máscara”, referiu Albino Bárbara. E acrescentou: “E a primeira coisa que o Centro Cultural tinha, porque estava em dívida, era, efectivamente, dar este abraço fraterno ao Padre Geada Pinto, na pessoa do seu irmão Manuel Pinto Geada, e também àquele que, durante 32 anos, esteve à frente do orfeão, que foi o Padre Bernardo Terreiro do Nascimento”. O Presidente da Câmara da Guarda disse que o Centro Cultural “é um exemplo de que a sociedade civil se organizou e não se deixou consumir pela sociedade de consumo que apenas se move por modas”. E acrescentou: “Aqui não se segue a massificação actual da cultura, criam-se, isso sim, bases para que as suas crianças e educandos tenham liberdade de criação e inventividade cultural. O Centro Cultural da Guarda nunca procurou a facilidade da cultura industrializada e de massas. Por isso os seus responsáveis nunca tiveram uma gestão fácil. Mas, com certeza, têm muito mais orgulho no seu trabalho diário”.Sérgio Costa adiantou que “o Centro Cultural da Guarda é acima de tudo um lugar de possíveis diálogos entre passado, presente e futuro”.A sessão evocativa do 59 aniversário do Centro Cultural da Guarda contou também com a presença da Secretária de Estado da Valorização do Interior, Isabel Ferreira.O cónego Manuel Geada Pinto, natural da Orca, concelho do Fundão, foi ordenado sacerdote pelo Bispo da Guarda de então, D. Domingos da Silva Gonçalves, foi professor nos Seminários do Fundão e da Guarda, na escola Comercial e Industrial da Guarda, director artístico do Centro Cultural da Guarda, onde dirigiu o respectivo Orfeão e fundou o Rancho Folclórico. Mas onde desenvolveu, principalmente, a sua actividade e colocou ao serviço os seus múltiplos e valiosos talentos foi na Escola Regional Dr. José Dinis da Fonseca, Outeiro de São Miguel.O valor dos serviços prestados foi reconhecido ao mais alto nível, com a condecoração da Ordem de Mérito (Membro Honorário) atribuída pelo Presidente da República à Escola Regional Dr. José Dinis da Fonseca.O padre Bernardo Terreiro do Nascimento comemorou 100 anos de vida no dia 3 de Maio de 2021. Natural de Almeida foi ordenado sacerdote no dia 7 de Setembro de 1947. Na sua longa vida também exerceu o sacerdócio através da música, especialmente religiosa, compondo centenas de obras para orfeão. Como professor de música dirigiu os coros dos Seminários do Fundão e Guarda, da Escola Superior do Instituto Politécnico da Guarda, da Covilhã, do Centro Cultural da Guarda e do Coro Etnográfico de Almeida. Acérrimo defensor de Almeida e das suas gentes, Bernardo Terreiro foi, durante décadas, correspondente do Jornal A GUARDA, dando eco dos principais acontecimentos deste concelho.