Guarda | Centro de Estudos Ibéricos


A entrega do Prémio Eduardo Lourenço, ao professor universitário Carlos Reis, está marcada para o dia 18 de Outubro, às 17.30 horas, na Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, na Guarda.
Recorde-se que o Júri da 15ª Edição do Prémio Eduardo Lourenço, reunido no dia 14 de Junho de 2019, na sede do Centro de Estudos Ibéricos, na Guarda, decidiu, por consenso, atribuir o Prémio, no valor de 7500 euros, ao professor e investigador Carlos Reis.
O Júri reconheceu o mérito de Carlos Reis como investigador e professor universitário e a sua trajectória que objectiva um trabalho de cooperação entre os âmbitos académicos e culturais de Portugal e Espanha, cuja aproximação substanciada e crítica, sempre o mobilizou e fomentou como responsável de diferentes instituições e organismos públicos, contribuindo a um intercâmbio cultural de alto valor ibérico. Referente dos estudos de Eça de Queirós e José Saramago, para além dos estudos literários e da teoria literária, a sua obra tem uma ampla repercussão em Espanha, na Europa, no Brasil e Estados Unidos.
Especializado em Literatura Portuguesa dos séculos XIX e XX e em Teoria da Narrativa, publicou sobre esta área vários livros de prestígio internacional e assinou dezenas de artigos em revistas universitárias. Publicou, entre outras, as obras seguintes: Textos Teóricos do Neo-Realismo; Estatuto e perspectivas do narrador na ficção de Eça de Queirós; O Discurso Ideológico do Neo-Realismo Português; Dicionário da Narratologia (em colaboração com Ana Cristina M. Lopes); Para una semiótica de la ideologia (tradução parcial de O discurso ideológico do Neo-Realismo Português); A Construção da Narrativa Queirosiana. O Espólio de Eça de Queirós (em colaboração com Maria do Rosário Milheiro) e coordena a História Crítica da Literatura Portuguesa e a Edição Crítica da obra de Eça de Queirós.
Destinado a galardoar personalidades ou instituições com intervenção relevante no âmbito da cultura, cidadania e cooperação ibéricas, o Prémio, foi atribuído por um júri constituído pelos membros da Direcção do Centro de Estudos Ibéricos (Presidente da Câmara Municipal da Guarda, Reitor da Universidade de Coimbra e Reitor da Universidade de Salamanca) membros das Comissões Científica e Executiva do CEI e por mais quatro personalidades convidadas: Emílio Rui Vilar e Rui Vieira Nery, indicados pela Universidade de Coimbra, e Maria Ángeles Pérez López e Lucía Rodil, indicadas pela Universidade de Salamanca.
O Prémio, com o nome do ensaísta Eduardo Lourenço, mentor e director honorífico do Centro de Estudos Ibéricos, já distinguiu várias personalidades de Portugal e de Espanha.
Receberam o prémio Eduardo Lourenço a professora catedrática Maria Helena da Rocha Pereira, o jornalista Agustín Remesal, a pianista Maria João Pires, o poeta Ángel Campos Pámpano, o professor catedrático de direito penal Jorge Figueiredo Dias, os escritores César António Molina, Mia Couto, Agustina Bessa-Luís, Luís Sepúlveda e Basilio Lousada Castro, o jornalista e escritor Fernando Paulouro das Neves, o teólogo José María Martín Patino e os professores e investigadores Jerónimo Pizarro e Antonio Sáez Delgado.