Infraestruturas de Portugal

A Infraestruturas de Portugal (IP) tinha marcado para esta quarta-feira, 28 de Abril, ao final da tarde, o Seminário online sobre a reabertura à circulação ferroviária do troço Covilhã – Guarda, na Linha da Beira Baixa, Corredor Internacional Norte. Concluída a empreitada de requalificação deste troço, e a poucos dias da reabertura à circulação ferroviária, a reunião pretendia discutir a sua importância enquanto elemento potenciador de desenvolvimento económico e social, não só para as populações e empresas da região, mas também para todo o sistema de transporte ferroviário nacional.Estava anunciada a participação do Secretário de Estado das Infraestruturas, Jorge Delgado. Ao Director de Empreendimentos da IP, José Carlos Clemente, cabia a explicação da importância da Linha da Beira Baixa na rede ferroviária nacional e no painel “As oportunidades criadas pela Linha da Beira Baixa” estavam convidados os presidentes das autarquias da Covilhã, de Belmonte e da Guarda.A Guarda e a Covilhã voltarão a estar ligadas pela ferrovia a partir de 2 de Maio, 12 anos depois da suspensão do serviço.Ao todo, haverá seis viagens por dia, em cada sentido, neste troço de 46 quilómetros, sendo quatro através do comboio Intercidades e duas pelo serviço regional. Depois de ter sido anunciado que não haveria paragens, nas estações de Benespera e do Barracão, os responsáveis da CP garantiram, à câmara da Guarda, que a situação será alterada pelo menos nos comboios regionais. Recorde-se que, na última reunião da Câmara da Guarda, o vereador Sérgio Costa propôs um voto de protesto “exigindo um tratamento com equidade e a paragem das composições nas Estações Apeadeiro do Barracão e da Benespera, bem como a necessária articulação do eixo regional Guarda – Covilhã – Castelo Branco, com o aumento das ligações diárias”.