Vilar Formoso

O projecto Eurocidade, que integra Almeida, Vilar Formoso Fuentes de Oñoro e Ciudad Rodrigo, foi apresentado no Centro de Desenvolvimento Transfronteiriço, em Vilar Formoso, no dia 1 de Julho, data da reabertura das fronteiras entre Portugal e Espanha.Este projecto europeu transfronteiriço pretende promover o desenvolvimento económico e potenciar investimentos que possam travar o despovoamento destes territórios, trabalhando em conjunto para a dinamização empresarial, a planificação e gestão conjunta de recursos humanos em determinadas áreas.Os autarcas destas regiões pretendem, assim, fixar e atrair população, desenvolver dinâmicas de emprego, e implementar medidas que eliminem ou minimizem os custos de contexto que tanto penalizam as empresas e os cidadãos locais.A Eurocidade “Porta da Europa” vai ter a sua sede em Vilar Formoso, no Centro de Desenvolvimento Transfronteiriço, com uma presidência rotativa, durante dois anos, a começar com o Presidente da Câmara de Almeida.António Machado considera que o projecto desta Eurocidade pretende “alavancar a região que está deprimida e merece uma atenção maior por parte dos governos de Portugal e Espanha”. O presidente da Câmara de Almeida acrescentou que “este projecto está direccionado para criar emprego, atrair empresas, criar espaços com valor para a transformação industrial e fortalecimento do tecido comercial e agrícola”.Marcos Iglesias, Alcalde de Ciudad Rodrigo, considerou que o projecto vai permitir “reivindicar um protagonismo comum, procurando estratégias e oportunidades para estes territórios, incrementando um maior desenvolvimento económico”. Na ocasião, o Município de Almeida, a Junta de Freguesia de Vilar Formoso, em estreita colaboração com os Ayuntamientos de Fuentes de Oñoro e Ciudad Rodrigo promoveram também uma iniciativa simbólica de congratulação e cooperação entre os dois países, com a abertura oficial da fronteira em cada um dos sentidos.Recorde-se que devido à pandemia da Covid-19, as fronteiras terrestres entre Portugal e Espanha estiveram encerradas entre 16 de Março e 1 de Julho. De acordo com o Município de Almeida “os efeitos desse encerramento foram duramente sentidos pela população local de cada um dos lados, e também pelo comércio e actividades económicas que revelaram até ao momento quebras demasiado penalizadoras nos negócios”.A cerimónia terminou com um minuto de silêncio pelas vítimas da Covid-19.