Infra-estrutura implica investimento de 2 milhões de euros


A Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) vai implementar o primeiro porto seco do país, na Guarda. A infra-estrutura, única e pioneira em Portugal, é considerada fundamental para a competitividade da região e implica um investimento de 2 milhões de euros.
A Guarda vai ser o local para a instalação do primeiro porto seco em Portugal, uma infra-estrutura que implica um investimento de 2 milhões de euros. O assunto foi debatido, no dia 10 de Dezembro, no seminário “Porto Seco da Guarda”, no qual se destacou a utilização optimizada do transporte combinado (ferrovia, rodovia e marítimo), que resulta no menor congestionamento das infra-estruturas portuárias. O porto seco vai implicar também a redução de custos de armazenagem e de transporte e a maior celeridade logística e aduaneira como principais benefícios da implementação e utilização de um porto seco.“Avançar com a criação do porto seco na Guarda vai trazer enormes vantagens para a competitividade do Porto de Leixões, uma vez que alargará o seu hinterland, ou seja, a área de influência, que representa já 6% do PIB nacional. Por outro lado, vai alavancar a competitividade das empresas importadoras e exportadoras da região, que poderão ver os seus custos com transportes e logística reduzidos”, disse Nuno Araújo, presidente da APDL.Durante o seminário foi destacada a localização estratégica da cidade da Guarda como um dos pontos-fortes para a implementação do um porto seco no município. De assinalar que o nó ferroviário das duas linhas férreas importantes, da Beira Baixa e a da Linha da Beira Alta, se encontra na cidade Guarda, onde se localiza a Plataforma Logística de Iniciativa Empresarial da Guarda, que estabelece ligações directas à A23 e à A25, acrescendo que faz fronteira com Espanha.Para a escolha do local mais adequado para a construção desta infraestrutura, a APDL reuniu previamente com a directora-geral da Autoridade Aduaneira, Helena Borges, a Infraestruturas de Portugal (IP), a Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), municípios e empresas, tendo a Guarda surgido como destino preferencial para a instalação do primeiro terminal intermodal, deste tipo, no país.O seminário “Porto Seco da Guarda” contou com a participação do presidente da Câmara Municipal da Guarda, Carlos Chaves Monteiro, do presidente da APDL, Nuno Araújo, do Vice-Presidente da IP Infraestruturas de Portugal, Carlos Fernandes, do director geral da YILPORT Leixões, Nuno David Silva, do administrador do Terminal de Carga Geral e Granéis de Leixões, Urbano Gomes. Rui Branco, em representação do Secretário de Estado Adjunto e das Comunicações, esteve no encerramento dos trabalhos.