Jornal “A Guarda” - 117 anos a servir

Damos-lhe sinceros parabéns pelo percurso até agora realizado; e auguramos-lhe futuro ainda mais promissor para o bom serviço que é chamado a prestar às pessoas, às instituições e, em geral, à nossa região, como semanário regional que é.Esta data é importante para olhar o passado, mas ainda o é mais para olhar em frente e seguir rumo ao futuro, abraçando estratégias que permitam vencer dificuldades e definir os novos modelos de serviço, em comunicação social, exigidos pelos tempos atuais.É notável a capacidade de resposta demonstrada pelo nosso jornal ao longo destes 117 anos. Foram circunstâncias muito variadas e algumas vezes penosas aquelas com que teve de se confrontar. Exemplo disso foram as duas guerras mundiais por que passou e agora a pandemia que muito nos continua a condicionar.Também passou por tempos de maiores constrangimentos impostos a toda a comunicação social, como foram os da censura; e igualmente outros, em que a euforia da liberdade criou novas dificuldades ao serviço equilibrado que o “A Guarda” sempre pretendeu prestar.São cada vez mais claras as dimensões da responsabilidade da comunicação social no domínio da educação das pessoas, sobretudo por causa dos extremos a evitar e da necessidade de definir e propor modelos de vida coerente. E foram percursos realmente educativos aqueles que o nosso “A Guarda” sempre pretendeu seguir e propor.Agora, enfrenta as exigências da adaptação a condicionalismos diferentes, nomeadamente aqueles que obrigam a conviver com outras formas de comunicar e promover a sã opinião pública, através das novas tecnologias.Acreditamos na capacidade do nosso jornal para dialogar e cooperar com essas novas formas de presença no mundo da comunicação.Sendo jornal mais que centenário, desejamos-lhe o melhor empenho para se reorganizar em termos que permitam responder com êxito às exigências dos novos tempos.O futuro, e não o passado, é a nossa pátria e também queremos que o seja do nosso “A Guarda”.+Manuel R. FelícioBispo da Guarda