Medida foi anunciada na reunião da Câmara da GuardaO Município da Guarda vai entregar licenças de utilização da Plataforma online “Escola Virtual”, aos agrupamentos de Escolas da Sé e Afonso de Albuquerque, num investimento que corresponde a 16 500 euros. A medida irá abranger 1316 alunos e professores do 1.º Ciclo do Ensino Básico do concelho da Guarda, do 1º ao 4º ano, e terá um prazo de utilização de um ano lectivo, podendo ser extensível.A Câmara da Guarda já tinha colocado à disposição dos alunos dos escalões A e B da Acção Social Escolar, em Maio do ano passado, 200 computadores para reforçar a capacidade das escolas do concelho no ensino à distância, devido à nova realidade provocada pela pandemia por COVID-19.“A Escola Virtual é uma plataforma de e-learning colaborativa, onde o corpo docente é responsável pela transmissão do conhecimento e acompanhamento da aprendizagem dos alunos com recursos e ferramentas de apoio ao estudo e aprendizagem. A plataforma fornece ferramentas para planeamento de aulas, como testes interactivos, relatórios de desempenho dos alunos, criação de turmas/grupos personalizados e sugestão de conteúdos”, disse o presidente da autarquia, no final da reunião desta segunda-feira, 11 de Janeiro.Carlos Chaves Monteiro adiantou também que a Câmara Municipal da Guarda começou a entrega de 1500 testes SARS-CoV-2 a 44 instituições particulares de solidariedade social, Centros de Dia, Lares e organismos do concelho da Guarda que prestam serviços e cuidados individualizados e personalizados.O Município pretende, nos próximos três meses, potenciar o rastreio das equipas que trabalham com os utentes procurando, desta forma, mitigar a propagação do vírus nessas instituições, para protecção da respectiva comunidade residente. Carlos Chaves Monteiro disse que “com esta medida, a autarquia complementa a cobertura das IPSS que não são abrangidas pelo governo, que testa apenas os trabalhadores das instituições que acolhem acima de 50 utentes”.Esta acção é desenvolvida no âmbito das medidas de prevenção e protecção da epidemia SARS-CoV-2 que o Município da Guarda tem vindo a implementar desde o início da actual pandemia, para protecção dos mais frágeis, nomeadamente da população mais idosa, doentes e cidadãos portadores de deficiência. “A Câmara da Guarda quer continuar a estar na linha da frente na protecção dos mais vulneráveis”, considera Carlos Chaves Monteiro.