Rede Ferroviária


O encerramento do troço da Linha da Beira Alta, entre Guarda e Vilar Formoso, entre 1 e 15 de Agosto, vai obrigar ao desvio de “centenas e centenas de contentores” para a A25, numa altura em que os emigrantes entram em Portugal.
De acordo com a Infraestruturas de Portugal, esta medida é justificada devido à recuperação do atraso das obras, o que implica ao transporte por camião, de parte das cargas.
“No decurso dos trabalhos em execução verificaram-se, pela natureza geológica encontrada na plataforma de via, condições significativamente mais complexas que, face à extensão envolvida, obrigam ao encerramento temporário deste troço”, explica a Infraestruturas de Portugal.
O encerramento deverá ter um impacto relevante uma vez que parte da operação será suspensa e outra parte passará para o modo rodoviário.
Confrontado com esta situação, o presidente da Câmara da Guarda disse que não foi contactado e que vai ficar atento. Sérgio Costa lembrou que “de 1 a 15 de Agosto será a época em que irão entrar, dezenas, para não dizer centenas de milhares de pessoas, os emigrantes que são sempre muito bem vidos ao nosso país, à nossa região, ao nosso concelho, à nossa cidade”. Perante esta realidade, Sérgio Costa disse que será necessário “desviar centenas e centenas de contentores, que passam diariamente pela linha férrea na Guarda”. Espera que “tenha sido tudo devidamente acautelado sob o ponto de vista do bom funcionamento do tráfego, para que não tenhamos nenhum caos no tráfego na A25”. Também mostrou alguma preocupação devido às intervenções que decorrem no viaduto internacional do Tourão, que faz a ligação entre Vilar Formoso e a Fronteira.
Sérgio Costa mostrou-se preocupado com a segurança de pessoas e bens, esperando que “todas as medidas” tenham sido acauteladas.
“Nós não queremos que os operadores ferroviários, que vão ter muitos custos acrescidos por esta via, possam querer desviar algum tráfego ferroviário para as linhas do sul do país”, disse o autarca ao mesmo tempo que lembrava que “a Guarda é um polo aglutinador da logística do país, da logística ferroviária e rodoviária”.
“Queremos que seja cada vez mais efectiva esta aposta do Porto Seco na Guarda” que, apesar de ainda depender de muitas variáveis, deve ser “uma realidade no mais curto espaço de tempo”.
“Queremos estar certos de que todas as medidas foram acauteladas e esperemos que o prazo não ultrapasse estes quinze dias”, disse Sérgio Costa.
O encerramento temporário do troço Guarda-Vilar Formoso não estava contemplado no plano de investimentos Ferrovia 2020.
Recorde-se que o investimento na modernização da Linha da Beira Alta é de 550 milhões de euros e levou ao encerramento, em 19 de Abril, e por um período previsto de nove meses do troço Pampilhosa-Guarda.