Concelhia do PSD pede um “concurso público aberto a todos”

“A Guarda merece que o Hotel Turismo volte a receber condignamente os seus visitantes e volte a ser o edifício emblemático que outrora foi”, disse o presidente da Concelhia do PSD, depois de se saber que a cedência à empresa Greenfield SGPS da posição contratual do consórcio MRG Property e MRG Construction não chegou a concluir-se, voltando a situação do Hotel Turismo “à estaca zero”. Sérgio Costa fez o ponto da situação de um processo que já se arrasta há uma década e lembrou a “obrigação política e, até moral,” da actual Secretária do Turismo, Rita Marques, e a Presidente da Federação Distrital Socialista da Guarda, Ana Mendes Godinho, “de tudo fazer para que o Hotel Turismo volte a abrir as suas portas”.Em conferência de imprensa, realizada online, na última sexta-feira 15 de Janeiro, a Concelhia do PSD desafiou mesmo o Presidente da Concelhia do PS, António Monteirinho, e a Presidente da Federação Socialista Distrital, Ana Mendes Godinho, “a juntar a sua à nossa voz e perguntar aos membros do Governo Socialista da Nação o porquê de tamanha incúria e desleixo” com o Hotel Turismo.Sérgio Costa considera que “vai fazer muita falta aos futuros visitantes dos Passadiços do Mondego, dos Trilhos do Noémi e da Capital da Cultura um equipamento cujo sucesso seria assegurado dado o interesse e o investimento dos projectos que o Município da Guarda tem programado desenvolver num futuro próximo”. Considera que “o Presidente de Câmara da Guarda eleito pelo PSD não pode branquear a incompetência de um Governo Socialista” e lembra que a recuperação do Hotel de Turismo “não é um negócio pessoal”. E acrescenta: “O Presidente da Câmara da Guarda deve tomar a iniciativa de apresentar ao Governo Socialista uma proposta de devolução do Hotel Turismo e lançar um concurso público aberto a todos”.Como vereador da Câmara da Guarda, Sérgio Costa mostrou surpresa em relação “ao silêncio sepulcral do Presidente da Câmara Municipal da Guarda sobre o Hotel Turismo, na última reunião de Câmara”. Considerou que o facto de o Presidente da autarquia “ficar apenas com as chaves e tornar-se fiel depositário, nada resolve”, antes pelo contrário “apenas cria mais um problema ao Município da Guarda”, pois “o Hotel Turismo da Guarda está a ser vandalizado e a degradar-se cada vez mais”.