“Uma obra estruturante para a valorização do território numa lógica de desenvolvimento turístico” foi assim que a Câmara da Guarda apresentou os Passadiços do Mondego no dia da assinatura do auto de consignação e lançamento da primeira pedra, em 27 de Novembro de 2019.


Quase três anos passados e depois de algumas promessas goradas, vão, finalmente, abrir ao público os Passadiços do Mondego. Este Domingo, 6 de Novembro, é dia de festa no vale do Mondego, entre Videmonte e a Barragem do Caldeirão, mas também em todo o concelho e na região que passa a dispor de mais um equipamento de promete grande atracção turística.
Os atrasos numa estrutura desta natureza até se justificam, atendendo à sua complexidade e aos imprevistos causados, primeiro pela Covid 19 e, nos meses de Verão, pelas situações de alerta e de calamidade com base no risco de incêndio elevado e muito elevado. Pelo meio também houve mudanças políticas na Câmara da Guarda, com a eleição de um novo presidente, nas autárquicas de Setembro de 2021.
Ultrapassadas as últimas dificuldades, nomeadamente a segurança e o bem estar dos visitantes, os Passadiços do Mondego vão abrir mesmo que possam vir a ser melhorados num futuro próximo.
Os Passadiços do Mondego abrangem uma vasta área do concelho da Guarda e estão inseridos num território reconhecido pela UNESCO como Geopark Estrela. Ao longo de 12 km acompanham o Rio Mondego e dois afluentes - o Ribeiro do Barrocal e o Rio Caldeirão - na envolvente das aldeias de Videmonte, Trinta, Vila Soeiro e Barragem do Caldeirão.
Ao longo do trajecto, de beleza ímpar, os visitantes têm acesso a lugares únicos, como o Miradouro do Mocho Real, cascatas, moinhos, antigas fábricas de lanifícios, de tecelagem e de produção de electricidade (Central Hidroeléctrica do Pateiro).
Dizem que são os mais bonitos de Portugal e para nós são mesmo, pois são os nossos.