“Há muito que tinha a intenção de publicar um livro sobre a minha vida”


Francisco Dias, autor do livro “Confrontos com a existência”, é natural de Avelãs da Ribeira. Estudou na Escola S. Pedro em Alcântara, Escola Francisco de Arruda, Liceu D. João de Castro e ISE (Instituto Superior de Economia), todas em Lisboa.Nos tempos livres gosta de ler, falar com todas as pessoas, principalmente as que parecem mais desprotegidas, passear nos ambientes naturais que abundam na região, e cuidar do Moinho que tem junto ao Rio Massueime. A GUARDA: Apresentou recentemente o livro “Confrontos com a existência”. Como surgiu a ideia de publicar esta obra?
Francisco Dias: Há muito que tinha a intenção de publicar um livro sobre a minha vida. Após a passagem de um momento “menos bom” da mesma, as ideias começaram a surgir-me de uma forma sobrenatural e quem sabe até Divina e foi só emprestar a Mão à Caneta.Iniciei a escrita no ano de 2019.  
A GUARDA: Porquê uma autobiografia?
Francisco Dias: A minha liberdade levou-me a desnudar completamente, para que os potenciais leitores não cometam os mesmos “Erros” que eu. Capítulo sim, capítulo não, caracterizo uma personagem ou um tema da minha Aldeia Natal, permitindo assim descrever costumes, tradições e aspectos políticos e sociais da nossa região.
A GUARDA: Trata-se de uma exposição mediática ou nem por isso?
Francisco Dias: Não tem nada de mediático. Trata-se de como já disse, sem me querer auto-elogiar, de dizer tudo o que fiz, essencialmente de negativo, que possa levar a vida do Cidadão a um abismo.As fontes foram o meu conhecimento empírico e o que os meus Pais me foram contando.  A GUARDA: Quem são os principais destinatários deste livro?
Francisco Dias: A todos os leitores de forna Geral.
A GUARDA: Houve alguma razão especial para apresentar o livro em Avelãs da Ribeira? 
Francisco Dias: Sim. Porque é a minha Terra Natal, de onde fui obrigado a sair com os meus Pais, para a Capital à procura de melhor nível de vida. Daí o Livro se centrar em duas localizações, Belém, Lisboa e Avelãs da Ribeira, Guarda.
A GUARDA: Onde é que esta obra pode ser adquirida?
Francisco Dias: Encomenda pessoal ou através da minha página do facebook; Aquisição em todo o mundo através do link Confrontos com a Existência na WEBSITE da Chiado Books. Em Portugal: Livrarias independentes, parceiras do Grupo Editorial Atlântico, espalhadas por todo o País; Fnac.pt; Bertrand.pt; Wook.pt. No Brasil: Chiadobooks.com; LivrariaCultura. com.br; Travessa.com.br; MartinsFontes Paulista.com.br.
A GUARDA: Pretende continuar a escrever ou esta é apenas uma publicação pontual?
Francisco Dias: Mais para a frente tenho intenção de escrever algo predominantemente de cariz Político.                                                        

A GUARDA: Como olha para o panorama cultural do concelho da Guarda?
Francisco Dias: Acho que a Guarda para além do TMG, que melhorou a sua gestão significativamente nos últimos anos, não se desenvolveu Culturalmente, principalmente nas 42 freguesias.Deve-se descentralizar, renovando zonas históricas existentes pelo Concelho, promover feiras e certames de acordo com as especificidades de cada local.  
A GUARDA: O que pensa da candidatura da Guarda a Capital Europeia da Cultura 2027?
Francisco Dias: Não posso discordar da elaboração de tal candidatura. No caso de ser a Guarda eleita como foi Guimarães em 2012 decerto poderemos dar um forte contributo para o desenvolvimento social do Concelho, da revitalização da Zona Histórica da Cidade e outras que se encontram em estado lastimável.