“Celorico da Beira é uma das principais portas de entrada para Serra da Estrela e detentora de boa oferta turística”

Carlos Manuel da Fonseca Ascensão, presidente da Câmara Municipal de Celorico da Beira, é natural da Rapa, actual União de Freguesias Rapa e Cadafaz.É licenciado em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra; professor efectivo na Escola EB2,3/S Sacadura Cabral, leccionando as disciplinas de Filosofia/ Psicologia. Esteve ligado ao futebol durante algumas dezenas de anos, como atleta e treinador. É Presidente do Conselho de Administração da Associação de Desenvolvimento Rural da Serra da Estrela; Presidente da Comissão Distrital de Protecção Civil da Guarda; Vice-presidente da Distrital do PSD da Guarda e líder da Concelhia do PSD de Celorico da Beira.Nos tempos livres gosta de jogar futebol, praticar desportos de natureza (caminhadas), ler, fazer jardinagem e agricultura.
A GUARDA: O Município de Celorico da Beira está a promover a Feira do Queijo Digital até ao dia 28 de Março. Quais os objectivos da autarquia ao promover o certame nestes moldes?
Carlos Ascensão: A Feira do Queijo de Celorico da Beira vai na sua 42ª edição e, ao longo de mais de quatro décadas, tem constituído uma oportunidade para o município homenagear os produtores de queijo e, simultaneamente, promover e valorizar o queijo, enquanto produto endógeno de excelência, ex-libris do concelho e embaixador maior da Serra da Estrela no país e no mundo.Pelo peso que a produção de queijo tem na economia local e enquanto património cultural e gastronómico, o Município teve de adaptar a Feira às circunstâncias. Na impossibilidade de a realizarmos nos moldes tradicionais, presencial, decidimos levar a Feira do Queijo à sua casa com tudo o que ela tem de genuíno. Vamos estar à distância de um clique, ligue-se a nós durante 30 dias no nosso Site e Facebook em: www.cm-celoricodabeira.pt||www.facebook.com/municipiocelorico.dabeira 
 A GUARDA: Celorico da Beira é mesmo capital do Queijo Serra da Estrela?
Carlos Ascensão: Obviamente que sim. Pelo número de ovinos da raça Bordaleira Serra da Estrela e Churra Mondegueira que pastoreiam nos pastos férteis e verdejantes deste território, pelo número de explorações, pela quantidade de queijo produzido e, acima de tudo, pela qualidade do queijo, produto endógeno de excelência, Celorico da Beira continua a merecer essa designação. Celorico da Beira é indissociável do queijo e da Serra da Estrela. A produção de queijo no concelho é milenar. Devido à especificidade do relevo e clima, que lhe advém da sua localização no Vale do Mondego entre a Cordilheira Central e o Planalto Beirão.
A GUARDA: O que é que a autarquia tem feito para potenciar este sector?
Carlos Ascensão: Sendo a produção do queijo um pilar na economia local, valioso património sociocultural e garante da nossa identidade, a autarquia centra o seu apoio em três eixos: produção, escoamento e valorização. Na ajuda à produção do queijo genuíno, o município tem colocado à disposição dos produtores os seus técnicos e suporta todos os custos da implementação do HACCP nas queijarias (processo controlo e certificação). No escoamento do queijo, temos desempenhado um papel decisivo com a participação em diversas feiras nacionais e internacionais. Tem promovido os produtores através do Solar do Queijo Serra da Estrela, edifício brasonado do Séc. XVIII, que recuperou e ergueu em homenagem ao pastor e ao queijo serra da estrela, no centro histórico da vila, junto ao castelo, transformando-o numa sala de visitas do concelho, espaço museológico de excelência e de passagem obrigatória para quem nos visita. Mais recentemente em 2019, o Solar sofreu obras de remodelação tornando-se mais interactivo.A plataforma de venda online de queijo – celoricocomgosto.pt – que terá a sua logística assente na experiência do Solar do Queijo, é outra ferramenta de escoamento e valorização do queijo.Outra estratégia de valorização do queijo Serra da Estrela tem sido a aposta na modernização da Feira do Queijo, o certame tem-se afirmado como uma janela de oportunidades, para divulgar e abrir novos mercados para o queijo e outros produtos de qualidade associados, ganhando uma maior projecção nos últimos anos, com o programa da TVI, “Somos Portugal”, emitido a partir da Feira. 
A GUARDA: De que maneira é que a autarquia tem valorizado e promovido as aldeias do concelho?
Carlos Ascensão: Devemos ter orgulho nas nossas raízes e preservar aquilo que nos torna únicos. A autarquia ao nível de urbanismo tem apoiado diversas freguesias do concelho com acordos financeiros e suporte de projectos para dotar as freguesias de equipamentos funcionais que suportam a vida dos aldeões (casas mortuárias, projecto de requalificação de praias fluviais, acessibilidades, limpeza caminhos rurais, manutenção de cemitérios e espaços verdes). A estratégia de promoção das aldeias passa, também, pelo investimento numa agenda cultural de eventos anuais: Festival do Requeijão (Fornotelheiro), Aldeias em festa – 12 em rede, AHP (Linhares da Beira), Feira de São Lourenço (Celorico da Beira), Festival e Liga Nacional de Parapente (Linhares da Beira), Cultura em rede (CIMBSE), Feira de Santa Eufémia (Celorico da Beira), Festival do Borrego (Carrapichana), Festival Castanha (Prados), Festival do Azeite (Vale de Azares).Somos parte integrante de associações como as Aldeias Históricas de Portugal, Aldeias de Montanha e temos parcerias com o Turismo do Centro.Ao prestar homenagem às tradições estamos, ao mesmo tempo, a valorizar as actividades pastoris e agrícolas, a valorizar o passado, mostrando aquilo que sabemos fazer bem e aquilo que nos liga à terra, às raízes. 
A GUARDA: Num ano de eleições autárquicas, quais as obras que destaca ao longo deste mandato?
Carlos Ascensão: A função do Município é assegurar o equilíbrio do desenvolvimento económico, social e ambienta do seu território. Os investimentos públicos no quadro Portugal2020 são estruturantes.Os celoricenses têm, hoje: Melhor educação, 2,7 milhões de euros na requalificação do Parque Escolar; Melhor rede saneamento básico, 2,4 M€ em 11 ETAR´s, eliminação de fossas sépticas na rede saneamento de Celorico da Beira; Implementamos a fibra ótica no concelho; Mais eficiência energética, contratação de serviços de energia para substituição luminárias públicas (7000) por tecnologia LED (3.2 M€); Mais apoio às juntas de freguesias, assinatura de acordos com autarquias nunca antes implementada pelos anteriores executivos (100 mil €); Mais apoio ao sector social, acordo financiamento aos Bombeiros, alargamos apoios às IPSS´s e Agrupamento de Escolas; Loteamentos e estruturas básicas de relançamento da economia, em 2019 acolhemos uma nova unidade comercial (2 milhões € investimento privado).No presente, enquanto uns falam nós preferimos fazer. No urbanismo, reabilitação equipamentos municipais, com a aprovação e projectos co-financiados por fundos europeus, estamos a executar obras essenciais: Piscinas Municipais (700 mil euros); Requalificação e ampliação da Escola EB 2,3/S Sacadura Cabral (1.5 milhões de euros); Alteração e ampliação do edifício e acesso ao castelo de Celorico da Beira e futuro espaço museológico (506 mil euros); Requalificação do Largo da Corredoura (200 mil euros); Construção do canil intermunicipal em cooperação com Município de Gouveia (210 mil euros); Regularização do Parque industrial, investimento aprovado pela CCDRC de 1 milhão de euros no Parque A25; Por todas estas razões estamos comprometidos com os celoricenses e já demonstramos estar à altura das responsabilidades. 
A GUARDA: Qual o projecto que ainda não conseguiu concretizar e que considera importante para o desenvolvimento do concelho?
Carlos Ascensão: Sediar mais empresas no Parque Industrial A25 com a consequente criação de postos de trabalho; Valorizar o Lagar Municipal junto ao rio Mondego; Investir na economia verde e espaços lazer: praias fluviais (praia dos doutores), requalificar praia da Ratoeira, praia ribeira da Lageosa a iniciar em breve; Parque urbano de Celorico da Beira (já adquirimos o espaço de aproximadamente 8 hectares).
A GUARDA: Como olha para o futuro do concelho de Celorico da Beira em termos turísticos, culturais e ambientais? 
Carlos Ascensão: Estamos convictos que o turismo é, e será, um dos motores de desenvolvimento sustentável do nosso território. Temos uma visão optimista. A nossa sobrevivência enquanto civilização dependerá cada vez mais da sustentabilidade da relação Homem/Natureza, uma relação que deve ser equilibrada.Celorico da Beira é uma das principais portas de entrada para Serra da Estrela e detentora de boa oferta turística: tem séculos de história, tradição, valioso património arquitectónico religioso e militar – o castelo de Celorico e o castelo de linhares da Beira - alojamento de qualidade (3 hotéis e casas de turismo de habitação rural), e uma gastronomia rica de sabores ímpares, em que o queijo, o requeijão e o borrego Serra da Estrela se destacam. Além disso, pela sua centralidade geográfica nos contrafortes da Serra da Estrela, Celorico da Beira oferece ao visitante paisagens deslumbrantes que pode contemplar palmeando os percursos pedestres existentes no concelho e a oportunidade de desfrutar dos desportos de montanha, como por exemplo, o BTT (Cadafaz) ou o parapente, modalidade que encontra em Linhares da Beira as melhores condições de voo para a prática da mesma. Inspire-se em nós, todo o ano.  
A GUARDA: É um Presidente feliz em Celorico da Beira? Vai ser novamente candidato à Câmara? Carlos Ascensão: Sim, sou um presidente feliz pela oportunidade que tenho de servir os meus concidadãos e de contribuir para criar um concelho melhor para as gerações vindouras. Sim, serei novamente candidato e estarei à altura das responsabilidades que me são confiadas.