“O Museu da Cidade, no Palácio Ducal, vai ser uma aposta realmente forte para os próximos dois anos”


Amílcar José Nunes Salvador, actual Presidente da Câmara Municipal de Trancoso, é natural da freguesia de Fiães, concelho de Trancoso. É casado, professor e reside em Trancoso. 
A GUARDA: O munício de Trancoso está empenado na recuperação do património construído tendo em vista a captação de mais visitantes. O que é que está projectado para a zona do Castelo?
Amílcar Salvador: Para a zona do Castelo de Trancoso apresentámos uma candidatura ao Turismo de Portugal, no âmbito do Programa Valorizar. Vamos investir cerca de trezentos e vinte mil euros, dos quais com 85% de financiamento. O projecto prevê conteúdos para a Torre de Menagem, melhores condições de segurança com a criação de alguns patamares, nomeadamente na zona da cisterna. Vai ser um projecto que vamos desenvolver neste ano de 2020. No final deste mandato, na Primavera de 2021, este projecto da valorização do Castelo estará concluído. Também estamos com obras em Moreira de Rei, onde temos a maior necrópole. Na requalificação da Igreja de santa Marinha e zona envolvente, quando começámos a intervir, apareceram mais de quinhentas sepulturas antropomórficas. Também estamos com esse projecto. No mês de Março iremos colocar ali oito arqueólogos. Já temos quatro arqueólogos a trabalhar neste local. Tivemos de suspender os trabalhos nos meses de Inverno mas os quatro arqueólogos vão retomar os trabalhos, no início de Março. Queremos colocar lá mais quatro arqueólogos para que o trabalho de arqueologia esteja concluído no mês de Agosto, para depois podermos intervir. Queremos concluir o projecto e criar um pequeno centro de interpretação quer na Igreja de santa Marinha quer também num outro projecto que iremos lançar para Moreira de Rei, para um centro interpretativo. Moreira de Rei tem vários monumentos classificados. Queremos que Moreira de Rei seja um complemento e que trabalhe em articulação com o Centro Histórico de Trancoso, em que se destacam as nossas muralhas medievais e o imponente castelo. 
A GUARDA: A Câmara Municipal pretende instalar o Museu Municipal no Palácio Ducal. Em que fase está este projecto?
Amílcar Salvador: O Palácio Ducal é um imóvel que estava em ruinas e que a Câmara Municipal, no mandato anterior, adquiriu por cerca de 350 mil euros. O município adquiriu todo o quarteirão. Neste momento, no âmbito de um protocolo que temos com a Universidade da Beira Interior, estão a elaborar o projecto para o Palácio ser transformado em Museu da Cidade e que também incluirá um auditório. Será um equipamento bem no Centro Histórico que virá colmatar uma lacuna que os trancosenses sentem. Quando o Palácio Ducal estiver requalificado, em conjunto com os equipamentos que já temos, como a Casa Bandarra, a Casa Isaac Cardoso, o Castelo, o Pavilhão Multiusos, os auditórios, eu creio que, aí sim, haverá condições para que, quem nos vista, possa ficar aqui dois ou três dias. Esse é o nosso objectivo. O Museu da Cidade, no Palácio Ducal, vai ser uma aposta realmente forte para os próximos dois anos. Temos de ver as condições financeiras do município, pois há muita vontade em arrancar com aquela obra. No entanto queremos honrar os compromissos do passado e estamos a fazê-lo, mesmo com algumas dificuldades financeiras. Temos um conjunto de obras para inaugurar neste primeiro semestre do ano. A Guarda: Podemos dizer que Trancoso tem muito para oferecer em termos turísticos?
Amílcar Salvador: Sim, não tenho dúvidas. Sei que todos os concelhos têm potencialidades e ficamos muito contentes por isso. Temos de cada vez mais trabalhar em rede, trabalhar em conjunto, porque as coisas boas que estiverem na Mêda, ou em Figueira de Castelo Rodrigo, ou em Pinhel, também são boas para Trancoso, porque os turistas vêm e passam por todos os concelhos. Mas Trancoso tem, efectivamente, muito para oferecer porque estas muralhas medievais, estas Portas D’El Rei estão em Trancoso. O Castelo de Trancoso é imponente e permite-nos ali a realização de muitos eventos como já fizemos. Recordo o jantar da Gala dos Vinhos, o Festival de Música no Castelo, as Bodas Reais e muitas outras iniciativas que nos distinguem. 
A GUARDA: O Posto de Turismo também está a ser remodelado?
Amílcar Salvador: O Posto de Turismo é mais uma candidatura que nós apresentámos às Aldeias Históricas e está em obra. As instalações estão muito bem localizadas mas não era o espaço mais adequado. Estamos a intervir e provavelmente, no final de Março a obra estará concluída. Então sim, ficaremos com condições excelentes para receber quem nos visita. É uma obra que iremos inaugurar no primeiro semestre de 2020.
A GUARDA: Trancoso também vai avançar com uma incubadora de empresas no Centro Histórico?
Amílcar Salvador: Sim, é verdade. Temos já o projecto aprovado e concluído. Agora é mesmo só a questão financeira, mas iremos lançar o concurso público para a requalificação dessa incubadora de empresas que incluirá um mini auditório, uma cozinha industrial, uma sala de exposições e de provas e os gabinetes a pensar também nos nossos jovens da Escola Profissional. Teremos ali vários espaços dedicados ao empreendedorismo. 
A GUARDA: A área de acolhimento empresarial também está pronta para acolher novas empresas?
Amílcar Salvador: Para a área de acolhimento empresarial já lançámos o aviso de abertura. As empresas estão a candidatar-se, até ao dia 15 de Abril. Temos quinze lotes de tereno, a dois euros o metro quadrado, portanto são preços simbólicos. Há lotes entre os mil e quinhentos e os três mil metros quadrados em termos da área de construção, podendo uma empresa apresentar candidatura para dois lotes de terreno. Era uma lacuna que nós sentíamos. Já há vinte anos, ou mais, que Trancoso não tinha uma zona industrial, não tinha de facto lotes para oferecer às empresas. Estamos muito confiantes, muito expectantes. Tem havido muitas manifestações de interesse por parte de muitos empresários, alguns do concelho, outros de fora. Estou convencido que vai correr bem e na próxima Primavera/Verão estaremos a construir ali muitos pavilhões, com muitas empresas a fixarem-se aqui por forma a criarem mais postos de trabalho, a fixar pessoas e a atrair investimento. 
A GUARDA: Ambiente e desporto são outras das apostas do Município?
Amílcar Salvador: São, porque Trancoso também tem condições naturais para isso. Fazemos um trabalho muito grande com todas as associações do concelho, grupos desportivos, associações culturais, desportivas e recreativas. Desde caminhadas, provas de BTT, Todo o Terreno, karaté, etc…são muitos os eventos. Temos dois grupos desportivos a fazer um trabalho excepcional, o Grupo Desportivo de Trancoso e Vila Franca das Naves. Estão os dois na primeira divisão distrital e, este ano, bem classificados. Sabemos que tanto Trancoso como Vila Franca das Naves são semanalmente falados na comunicação social devido ao trabalho desses dois grupos desportivos. É muito importante o trabalho que estes grupos fazem com as camadas jovens. O Grupo Desportivo tem cerca de duzentos atletas a passar por ali durante a semana e o Vila Franca também apoia mais de cem atletas. Praticar desporto faz bem à saúde.Deixo a minha palavra de apreço a todas as associações, pois fazem um trabalho excepcional que a Câmara não poderia fazer. Portanto nós só temos de apoiar essas associações. 
A GUARDA: Falar de Trancoso também é falar de castanheiros e de castanha. Como é que a Câmara olha para este sector? 
Amílcar Salvador: O sector primário, a agricultura é para nós muito importante. Como eu disse sempre, quero que a agricultura deixe de ser um sector envergonhado, como muitas vezes aconteceu no passado, e passe a ser o sector prioritário. E aí, a fileira da castanha é fundamental. Nós temos um protocolo com a Universidade de Trás os Montes e Alto Douro, até 2024. Desde as análises do solo, a dias abertos, enfim muita informação, muito conhecimento que nos trás a Universidade, aliado ao saber fazer dos nossos agricultores. Iremos continuar a apostar muito na castanha e também na agro-pecuária, com a Feira Agro-pecuária em Agosto, a Santa Luzia com os animais. A pecuária, sobretudo os ovinos e caprinos, ainda é muito importante e ainda temos números muito significativos. O queijo é outra aposta, pois ainda temos algumas freguesias que fazem parte da região demarcada da Serra da Estrela. A fileira da castanha, a pecuária, os vinhos na zona de Vila Franca das Naves, o azeite e o mel são algumas das coisas boas que nós temos.
A Guarda: Sente-se um presidente feliz?
Amílcar Salvador: Nós sabemos que mais importante do que aquilo que foi feito ou está a ser feito é sempre aquilo que falta fazer. Acima de tudo estamos cá para servir as pessoas, para trabalhar pelos trancosenses. A população de Trancoso é gente boa, simpática, acolhedora, trabalhadora. A Câmara está cá para os ajudar e servir, no dia-a-dia, com o mesmo entusiasmo de quando começámos.