Caderno de encargos para a Cimeira Ibérica deve apostar na economia, acessibilidades e saúde

”Economia, acessibilidades e saúde são as áreas que a concelhia do PSD Guarda considera que devem figurar no caderno de encargos para a Cimeira Ibérica, a apresentar pela Guarda. “A Guarda tem de reivindicar os investimentos a que tem direito, alguns deles só possíveis de realizar com a ajuda dos Fundos Comunitários”, disse o presidente da concelhia, Sérgio Costa, na conferência de imprensa que decorreu esta segunda-feira, 28 de Setembro, na sede do PSD Distrital da Guarda. E acrescentou: “É aqui que tem de haver a concretização e desenvolvimento de um plano nacional de Plataformas Logísticas/Portos Secos, a começar pela cidade da Guarda”. Ao nível da economia, Sérgio Costa propõe a requalificação e ampliação do Terminal Rodoferroviário, fundamental para a concretização do Porto Seco da Guarda; a construção de um novo acesso rodoviário à Plataforma Logística a partir da A23, bem como a linha de mercadorias a partir da linha da Beira Alta; a ampliação da Plataforma Logística e do Parque Industrial da Guarda, bem como a criação de Áreas de Localização Empresarial no Mundo Rural. Ao nível das acessibilidades considera que é importante a concretização da terceira fase da VICEG, muito importante nas acessibilidades à Cidade, encurtando a distância entre vários pontos do Concelho, a A25 e a A23; um novo acesso à Serra da Estrela a partir de Videmonte, a estrada de acesso ao maciço central, passando a Guarda a ser uma nova porta para a Serra, ajudando a fortalecer o nosso tecido empresarial, potencializando mais investimento no nosso Mundo Rural, aproveitando todas as infra-estruturas já existentes ou em construção como os Passadiços do Mondego, a Ecovia do Noéme e outras a construir no futuro, os percursos pedestres, as praias fluviais, a boa gastronomia, o património cultural e religioso, as belas paisagens e miradouros, entre outros.Ao nível da saúde sugere a concretização da segunda fase do Hospital Sousa Martins, que considera “essencial a um concelho e a uma região que se quer afirmar cada vez mais ao nível da saúde, do turismo, do ensino e da atracção de investimentos privados tão importantes para a nossa economia”.Sérgio Costa adiantou que a população espera que “rapidamente se passe das palavras aos actos, abrindo assim de uma forma definitiva a Guarda ao Mundo Ibérico da Logística, seguindo a estratégia e as orientações da própria União Europeia”. E acrescenta: “No meio de 13 mil milhões de euros não será com certeza difícil encontrar financiamento para estes projectos” que devem rondar os 100 milhões de euros.O presidente da Concelhia do PSD adianta que “a questão das Plataformas Logísticas/ Portos Secos é inquestionável, bem como a sua necessidade e importância para alargar a área de influência dos portos de mar e promover mais Coesão Territorial, aproximando o mar do interior, proporcionando colocar os produtos e bens nas mesmas condições de igualdade em todo o território nacional e ibérico”.Considera ainda que “a Cimeira Ibérica será um momento importante para inverter o despovoamento e a consequente falta de geração de riqueza da Guarda e da região Raiana”.