Munício da Guarda

“Hoje cabe-me a mim passar o testemunho e faço-o com o mesmo gosto e o mesmo sentido de responsabilidade com que assumi as funções de Presidente da Assembleia Municipal da Guarda e permitam que o diga, com o claro sentimento do dever cumprido”, disse Cidália Valbom no discurso de despedida como Presidente da Assembleia Municipal da Guarda. Na cerimónia de Instalação dos órgãos Autárquicos da Guarda, eleitos para o quadriénio 2021-2025, que decorreu no dia 16 de Outubro, a Presidente cessante lembrou que a 19 de Outubro de 2017, assumiu “com particular honra e dignidade a nobre função de membro da Assembleia Municipal da Guarda, tendo sido eleita pelos meus pares, Presidente da Mesa da Assembleia Municipal”. Na altura sucedeu “a um grande senhor da ciência e da cultura, Prof. Carvalho Rodrigues”. Lembrou que todos os que ocuparam o cargo “contribuíram à sua maneira para a dignificação do órgão autárquico mais representativo do espectro político e social de cada Município”. Cidália Valbom disse que vivenciou, nos últimos 4 anos, “uma das experiências mais desafiante e estimulante, mas também muito gratificante, da minha vida”.Considerou que a Assembleia Municipal da Guarda deu ao País, nestes 4 anos, “um testemunho de vivacidade, mas mais do que isso, de autêntica cidadania”. Aproveitou para deixar alguns recados lembrando que “sempre há quem não entenda a clara separação de poderes, ou pior ainda, entendam que as Assembleias Municipais são apenas o eco da Câmara”.Apesar de alguns desaguisados com o autarca cessante considerou que valeu a pena entregar-se de “alma e coração a uma causa, a um projecto”, especificando que “a causa da Guarda, como grande capital sub-regional e transfronteiriça é o nosso desígnio”.Aos que iniciaram funções tanto na Assembleia Municipal e Câmara Municipal da Guarda, para o quadriénio 2021-2025, pediu “determinação e solidariedade”. “Agora sim, e de novo, voltaremos a ter esperança. Voltaremos a ser mobilizados para participar, para debater e para realizar” disse Cidália Valbom. E acrescentou: “Acabaram os medos da sombra ou de protagonismos balofos que não conduzem a nada”.Exortou os eleitos a olhar para os problemas do concelho, e a enfrentar as suas necessidades. E acrescentou: “Levantemos um pouco mais o olhar para o futuro da Guarda pensando nos jovens e nas novas gerações”. Terminou a intervenção com um “eterno agradecimento” a todo os colaboradores, “secretários da Mesa, funcionários camarários, deputados municipais, Presidentes de Junta de Freguesia, cidadãos da Guarda” e também a Álvaro Amaro e à família, ao marido e aos filhos, que sempre a apoiaram.Cidália Maria de Matos Felismino Martins Valbom é natural de Coruche, distrito de Santarém, mas há muito se sente como guardense. Estudou em Coruche até ao 11º ano, tendo feito o 12º ano em Lisboa. Fez os estudos superiores na Faculdade de Direito em Coimbra (1985/1990).Foi Presidente da Assembleia Municipal da Guarda de Outubro de 2017 a Outubro de 2021.