Protocolo envolve a Câmara da Guarda e a AgroGuarda


A Câmara da Guarda e a AgroGuarda - Cooperativa Agropecuária do Concelho da Guarda assinaram um protocolo tendo em vista a criação de um Centro Operacional Agrícola que irá valorizar e promover os produtos endógenos.
O projecto, através do contracto de comodato, vai ocupar um imóvel localizado na Plataforma Logística, cedido pela autarquia, com uma área total de 1.323 metros quadrados. Este contracto de comodato “é válido pelo período de um ano renovado automaticamente”, sendo o prazo máximo de cedência, incluindo as renovações, não poderá exceder quatro anos, salvo se outro acordo houver entre as partes”.
“O Centro Operacional Agrícola da Guarda será a casa de todos os agricultores do nosso concelho” disse o Presidente da Câmara da Guarda, na assinatura do protocolo que teve lugar esta segunda-feira, 9 de Maio, na sala da Assembleia Municipal.
Sérgio Costa referiu que a “assinatura representa a nossa crença no nosso território, nos nossos produtos e nos nossos agricultores”. E acrescentou: “Queremos valorizar e promover os nossos produtos endógenos de uma região muitas vezes esquecida do mapa agrícola nacional”.
Considerou que o facto de os produtos serem criados na envolvência da Serra da Estrela e do Planalto Beirão “têm características únicas de qualidade superior que devidamente promovidos trazem riqueza e desenvolvimento”.
Sérgio Costa adiantou também que “este Centro Operacional Agrícola é para todos os produtos e para todos os produtores” e, por isso, “cabe agora à AgroGuarda a dinamização do espaço e a salvaguarda dentro da conservação e da armazenagem”.
“Esta assinatura do protocolo para a criação do Centro Operacional Agrícola da Guarda é apenas o primeiro passo para que consigamos, efectivamente ajudar os nossos agricultores”, considerou.
Para Sérgio Costa estão a ser criadas condições para que os agricultores locais “tenham quem os ajude a promover, a divulgar e a escoar os seus produtos”. E acrescentou: “A Guarda precisa que os seus produtos sejam reconhecidos, pela sua origem, porque têm qualidade de excelência. A marca Guarda tem futuro porque está inserida num território que tem conseguido manter as suas características de biodiversidade únicas intactas”.
“Estou convicto que esta assinatura é o início de um longo caminho” disse Jorge Godinho, presidente do Conselho de Administração da AgroGuarda.
O Centro Operacional Agrícola da Guarda terá um espaço de frio para armazenagem e um pequeno espaço de comércio. O projecto começa a funcionar este mês com a campanha de produção de mirtilo, com oito produtores locais.
A directora regional adjunta da Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Centro, Vanda Batista, vincou a ideia de que a Centro Operacional Agrícola da Guarda “será a casa dos agricultores do concelho”. Considerou que o projecto “é um exemplo de sinergia e complementaridade de acção” numa “região que tem imensas potencialidades”.