Guarda
Câmara pagou 665 mil euros de dívidas a credores

A Câmara Municipal da Guarda procedeu na quinta-feira, dia 5 de Junho, ao pagamento de 665 mil euros de dívidas a 118 credores, relativas aos anos de 2012 e de 2013.
Na cerimónia realizada ao fim da tarde no Auditório do Paço da Cultura foram contempladas empresas, associações e uma Junta de Freguesia do concelho da Guarda.
Durante a sessão, o presidente da Câmara Municipal, Álvaro Amaro, referiu que o pagamento foi efectuado com fundos das receitas próprias do Município e das transferências do Orçamento do Estado.
De acordo com Álvaro Amaro, apesar de a autarquia a que preside ter herdado do anterior executivo socialista uma dívida de 91 milhões de euros, o novo executivo municipal tem conseguido fazer o pagamento aos credores com actos de “boa gestão”.
O autarca disse também na ocasião que, desde Janeiro deste ano, o Município está a pagar mensalmente cerca de 200 mil euros para dar cumprimento a um acordo celebrado com os grandes credores da Câmara Municipal da Guarda.
Referiu ainda que a situação financeira impede a autarquia de avançar com eventos como as Festas da Cidade (que custavam entre 40 a 60 mil euros) e a Volta a Portugal em Bicicleta (a quem a autarquia deve 92 mil euros das edições anteriores).
Álvaro Amaro também anunciou que desde que tomou posse, a autarquia reduziu “em 110 dias, o prazo médio de pagamento” aos fornecedores. “Segundo os dados da DGAL - Direcção-Geral das Autarquias Locais, o prazo, em 30 de Setembro de 2013 era de 293 dias e o prazo actual é de 182” dias, disse. Explicou que o resultado obtido implica, “além de muito trabalho, muito critério de gestão e, naturalmente, de contenção, não podendo fazer tudo” quanto o executivo que lidera gostaria de fazer. “É este o nosso princípio. É recredibilizar também o Município e transportá-lo para o patamar de um Município amigo dos credores, amigo do investimento, mas também um Município de boas contas”, afirmou.
Quanto à realização da sessão pública de pagamento de dívidas, a segunda efectuada desde que tomou posse, o autarca disse que a quis fazer por considerar que “é importante sob o ponto de vista da pedagogia da gestão autárquica”.