Manteigas


“Olhar para o Parque Natural da Serra da Estrela com urgência” foi o desafio que saiu da reunião que decorreu em Manteigas e juntou à mesma mesa os autarcas da região, a Secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, o Presidente do Turismo de Portugal, Luís Araújo, e o Presidente do Turismo do Centro, Pedro Machado, que contou também com vários atores económicos e associações de todo o território.
Na reunião, realizada no dia 1 de Setembro, no Ninho de Empresas de Manteigas, ficou vincada a importância de olhar para o Parque Natural da Serra da Estrela com urgência, especialmente nesta área ligada ao turismo, pelo impacto que tem no tecido económico e social desta região. No encontro foram “debatidas e exigidas várias medidas, cuja viabilidade irá ser analisada nos próximos dias pelo Governo e pelas entidades presentes”.
Os autarcas da região da serra da Estrela consideraram que a região “continua viva, apesar de ter sido muito fragilizada” pelos incêndios e desafiaram os portugueses e os estrangeiros a conhecerem o território.
“As pessoas, agora, estão traumatizadas e, com as imagens que viram nas televisões, acham que o território está de negro. Há ainda muito território verde, felizmente. Há muita gastronomia excelente para saborear, há muito vinho óptimo do Dão e não só, da Beira Interior Norte, para beber”, explicou o presidente da Comunidade Intermunicipal das Beiras e Serra da Estrela.
Luís Tadeu, que também é o presidente da Câmara Municipal de Gouveia, adiantou que “há muitas urgências”, não só na parte da promoção, como em outras áreas.
O presidente da Câmara de Manteigas, Flávio Massano, referiu que o concelho depende do turismo e que os prejuízos são difíceis de quantificar, porque não se consegue perceber quantas pessoas vão deixar de visitar o território.
Flávio Massano espera que as conclusões do estudo independente possam explicar a razão da reactivação do incêndio em Vale de Amoreira, onde estava a ser vigiado e que acabou por destruir mais nove mil hectares.
“As pessoas que aqui vivem merecem o nosso respeito e merecem respostas concretas sobre o porquê, o quando e como é que aconteceu este incêndio”, disse o autarca de Manteigas.