Consulta pública envolveu cerca de 360 pessoas


A antiga Casa da Legião, na Guarda, pode muito bem dar lugar à construção de uma nova praça, com a demolição do edificado e de um parque de estacionamento a uma cota inferior para cerca de 50 lugares. Esta foi a possibilidade mais votada, na consulta pública promovida pelo Município da Guarda, que terminou no dia 21 de Junho e contemplava mais duas possibilidades: a reconstrução parcial do actual edificado com uso a definir e aberto a sugestões, incluindo também um parque de estacionamento para cerca de 30 a 40 lugares; e outra solução, outra alternativa, outra proposta que as pessoas quisessem colocar.
Na reunião desta segunda-feira, 25 de Julho, o presidente da autarquia, Sérgio Costa, apresentou o resultado final da consulta pública sobre o destino a dar ao espaço da antiga Casa da Legião, um imóvel que se encontra em adiantado estado de ruina, mesmo em frente à porta principal da Sé Catedral.
O autarca disse que votaram cerca de 360 pessoas e a maioria (51%) votou na proposta A (construção de uma nova praça, com a demolição do edifício e de um parque de estacionamento subterrâneo com cerca de 50 lugares), 28% na proposta B (reconstrução do actual edificado) e 21% na proposta C (outra proposta sugerida).
Na proposta A foram validadas 172 participações; na proposta B, 96 participações; e na proposta C, 71 participações.
“Demos liberdade ao povo da Guarda de poder votar e os resultados são estes” considerou o autarca.
Sérgio Costa adiantou que a autarquia vai promover um estudo sobre o eventual valor patrimonial do imóvel e instruir um pedido de parecer junto da Direcção Regional de Cultura do Centro “sobre a viabilidade e demais condições a respeitar relativamente à intervenção pela qual se pronunciaram, maioritariamente, os participantes na consulta pública”.
Recorde-se que o anterior executivo municipal, presidido por Carlos Chaves Monteiro, tinha adquirido o edifício, que está em ruínas há vários anos, com o objectivo de ali instalar a colecção de arte contemporânea de António Piné.