Guarda


O Executivo Municipal da Guarda decidiu, na sua última reunião, adjudicar a prestação de serviços de recolha, limpeza e transporte de resíduos sólidos urbanos, lavagem, manutenção, fornecimento e colocação de contentores no Município à empresa SUMA. De acordo com o presidente Álvaro Amaro, com a adjudicação agora deliberada a recolha dos lixos domésticos passará a ser efectuada por aquela empresa também no meio rural. O autarca referiu que com a decisão, ao fim de 5 anos, o Município poupará 1 milhão de euros. Lembrou que concorreram cerca de 12 empresas e que o júri atribuiu o primeiro lugar à empresa SUMA. O resultado do concurso aguarda pelo visto do Tribunal de Contas.
Os dois vereadores do PS, José Igreja e Joaquim Carreira, abstiveram-se na votação, tendo José Igreja alertado para a possibilidade de ser violada a Lei dos Compromissos. “Temos a natural consciência que a Guarda não pode ficar sem ser uma terra limpa, mas alertámos o senhor presidente e a vereação PSD/CDS-PP por poder estar, com este contrato, a não respeitar a Lei dos Compromissos”, disse o vereador da oposição, acrescentando que “o senhor presidente aceitou o risco” por o saneamento financeiro da autarquia poder já estar aprovado nessa altura.